Idade avançada, textura da pele, distúrbios da acuidade visual, problemas emocionais, e outros fatores, poderão deixar como conseqüência sua marca nos olhos. Quando  os examinamos estamos fazendo uma análise profunda, para intervir somente naqueles setores que possam se beneficiar de uma cirurgia. Algumas vezes, o problema estético das pálpebras é devido a fatores clínicos e não está indicada qualquer cirurgia. Outras vezes, os problemas clínicos estão associados ao ato cirúrgico e, mesmo que se opere devidamente as pálpebras, ainda assim persistirá um percentual do defeito original, decorrente do distúrbio clínico associado.

Não existe uma idade ideal, mas sim, a oportunidade ideal. Essa oportunidade é determinada pela presença do defeito a ser corrigido e poderá ocorrer em qualquer idade. Sendo a pele das pálpebras de espessura muito fina, as cicatrizes tendem a ficar praticamente disfarçadas nos sulcos da pele. Para tanto, deve ser aguardado o período de maturação da cicatriz (2 a 3 meses). Pela sua localização são passíveis de serem disfarçadas com uma maquiagem leve, desde os primeiros dias.

Pela extensão da cirurgia e boa qualidade dos anestésicos, operamos a maioria dos casos sob anestesia local.

O edema (inchaço) dos olhos varia muito de paciente para paciente. Existem aqueles (as) que já no 4º ou 5º dia apresentam-se com um aspecto bastante natural. Outros irão atingir este resultado após o 8º dia. Mesmo assim, os 3 primeiros dias do pós- operatório são aqueles em que existem  maior “inchaço” das pálpebras. O uso de óculos escuros poderá ser útil nesta fase, assim como a utilização de compressas geladas diminui a intensidade do edema. Somente após o 3º mês é que poderemos dizer que o edema residual é discreto e não compromete o resultado final.

O período de internação varia de 12 a 24 horas.

As manchas roxas são formadas pela infiltração do sangue na pele suprajacente, e mesmo na conjuntiva ocular; são devidas ao próprio trauma cirúrgico. Isto, entretanto, não constitui qualquer problema futuro.

ATENÇÃO! Os “pés de galinha”, mesmo que devidamente operados, nunca desaparecerão, devido à ação do músculo orbicular, que não é lesado nessa operação, e à perda da elasticidade da pele do local.