O volume e o formato das mamas pode muitas das vezes definir uma personalidade. Quantas vezes não vemos pessoas, que por vergonha de seus seios grandes, andam curvadas para frente? Quantas vezes não vemos uma pessoa com vergonha de colocar um biquíni ou de vestir uma blusa com decote mais pronunciado, porque o formato de seus seios não lhe agrada mais como no passado?

É impressionante como o sorriso aparece na face das mulheres que operam as mamas. Sentem-se mais dispostas, abusam de decotes, olham o mundo “de cima”.

Ainda que as cicatrizes possam ser e são grandes, a cirurgia de mama, principalmente a redutora, devolve o orgulho e a auto-estima a estes pacientes. Sobre as cicatrizes, pode-se dizer que, apesar de grandes, já estão enraizadas na cultura do culto ao corpo e ao bem-estar que existe no mundo inteiro. Contam-se nos dedos as pessoas que nunca viram o famoso “T” invertido clássico de Pitanguy ou alguma outra técnica como em “L” ou uma cicatriz periareolar. Qual a melhor? Depende. Cada paciente tem que ser analisado individualmente e será aplicada a técnica que mais convier ao cirurgião e a mama a ser operada.

As mamas são órgãos que se encontram em freqüente modificação no sexo feminino. Notamos as alterações que ocorrem em cada período menstrual, quando as mamas normalmente se edemaciam (incham) e por vezes se tornam dolorosas.

Já as menos ”providas” as vezes não tem a oportunidade dessas sensações.

Em 1962 Cronin & Gerow desenvolveram o  1º implante mamário em conjunto com a empresa americana Dow Corning e o início da comercialização do implante de silicone preenchido com gel foi já em 1963. Desde então muita coisa mudou,  desde os volumes, formatos, consistências, revestimentos e utilizações. Hoje, na 5ª geração de implantes, estamos absolutamentes convictos de que pouca coisa poderá mudar daqui para frente.

Os implantes de superfície lisa, desenvolvidos inicialmente, mostravam resultados insatisfatórios em relação aos índices de contratura capsular, ouseja, implantes lisos de membranas muito finas e gel muito fluido resultavam que a membrana era de fácil ruptura e o gel muito fluido e que se espalhava muito facilmente pelo corpo;

Para resolver isso foi desenvolvido um gel mais coeso, o que impede do implante vazar e a membrana ganhouuma espessura mais resistente e ganhouo ranhuras ou microtexturas ou uma camada de poliuretano, para agirem na prevenção da contratura capsular.

Em relação aos formatos de prótese, inicialmente foram desenvolvidos perfis e projeções adequados à epoca e que se modificaram a medida que a demanda por próteses maiores e mais projetadas foram acontecendo. Hoje temos o famoso perfil alto, super alto, natural e o cônico.

Cada tipo de perfil tem uma indicação de acordo com o tipo de mama e com o que a paciente deseja. Pergunte sobre o seu caso.