De acordo com pesquisas, o Brasil é líder mundial no rejuvenescimento vaginal. A grande procura das mulheres por esse tipo de cirurgia é porque as brasileiras são as mulheres que mais cuidam do corpo e isso se aplica a todas as partes. Várias pacientes relatam desconforto com a estética vaginal e suas queixas são diversas, mas todas elas fazem o procedimento para si mesmas, não para agradar alguém, querem se sentir bem. A cirurgia íntima é recomendada em casos como hipertrofia ou aumento dos pequenos lábios, excesso de gordura no púbis, etc. É um procedimento que pode ser realizado pelo cirurgião plástico e pelo ginecologista/obstetra e os riscos dessa cirurgia são os mesmos inerentes a uma cirurgia outra qualquer, como infecção, hematoma, etc.

O procedimento é realizado sob anestesia local, com sedação venosa ou até mesmo com uma anestesia tipo peridural. Não é demorado e a maioria das pacientes vai para casa no mesmo dia. Gosto de usar pontos com fios absorvíveis para evitar o desconforto da retirada de pontos numa região tão sensível. No pós-operatório, há certo desconforto, como uma leve ardência que ocorre nos primeiros dias, mas utilizo pomadas anestésicas para amenizar esse desconforto. Com o passar dos dias tudo vai cicatrizando e talvez o único inconveniente seja o resguardo sexual vaginal, que deve ser por cerca de 40 dias.

Além das cirurgias, podemos lançar mão de lasers para tratar a pele da região genital e com isso buscar um tônus maior nessa pele, aumentando inclusive seu turgor e hidratação.

Recentemente, um estudo realizado no Reino Unido revelou que várias meninas de até 14 anos já haviam realizado cirurgias íntimas. Em minha opinião, acho que o procedimento é valido nessa idade somente se existe alguma deformidade ou se existe uma hipertrofia de pequenos lábios que, por exemplo, dificultem a andar de bicicleta, por exemplo. Mas acho precipitado se for por uma questão estética, porque mexer com a sexualidade de uma menina/adolescente, pode acarretar prejuízos em relação à formação dessa menina como mulher. Estimular essa sexualidade precocemente, às vezes, pode acabar banalizando o ato sexual. Esse assunto é delicado, mas até que ponto não são as próprias mães que estão estimulando esse tipo de procedimento, não aguardando nem a queixa da menina/adolescente e sugerindo intervir precocemente? Por isso essa operação é recomendada, por estética, numa mulher adulta, com seu aparelho sexual devidamente formado e que tenha queixas condizentes com a estética vaginal. Se forem cirurgias reparadoras temos que avaliar os casos individualmente, cada caso é um caso…