Braços e Coxas

Cirurgia do Braço (Dermolipectomia Braquial)

Como em todas as áreas do corpo, o envelhecimento dos braços ocorre progressivamente. Em geral, os sinais de envelhecimento dos braços se tornam mais aparentes em mulheres entre os 30 e 40 anos, idade ideal para a cirurgia. Aos 60-70 anos de idade, alterações como ressecamento, adelgaçamento, enrugamento, alterações de pigmentação e perda de elasticidade cutâneas devido ao foto-envelhecimento ou mesmo processo normal de envelhecimento estarão presentes na pele. Esta arquitetura modificada se torna mais óbvia durante o movimento, deformando o contorno estético dos braços. Em outras palavras, os braços se tornam desproporcionais ao resto do corpo. A maioria das mulheres frequentemente considera os braços como parte importante de sua aparência geral, possivelmente devido à popularização das atividades esportivas e moda que enfatizam a exposição do corpo.

Quando se planeja rejuvenescimento dos braços, análise cuidadosa de fatores como qualidade tecidual e expectativas da paciente é soberana. A estratégia de tratamento deve ser individualizada devido às alterações serem variáveis em cada paciente. Pacientes candidatos à braquioplastia devem ser amplamente educados sobre a possibilidade de melhora e especialmente sobre as limitações do procedimento indicado para seu caso. Muitas vezes o procedimento resultará em melhora do contorno a expensas de uma cicatriz visível e muitas vezes inestética.

Mesmo que numerosas técnicas tenham sido refinadas através dos anos, em uma tentativa de minimizar as cicatrizes, o mais importante avanço neste campo foi a chegada da lipoaspiração que, em casos selecionados, tem oferecido excelentes resultados com menos complicações e cicatrizes. A retração cutânea pode resultar em visível redução circunferencial e mais agradável contorno especialmente nos bordos inferiores dos braços. Com a lipoaspiração, as indicações para braquioplastia (cirurgia plástica dos braços com cicatriz longa convencional) têm diminuído significativamente através dos anos, mas tem sido realizada nos casos em que haja grande perda ponderal ou idade avançada.

A cicatriz é posicionada em uma área que dependendo do clima e das modas, cada vez mais freqüentemente encontra-se exposta. Há ainda como fator importante a capacidade individual de cada paciente de cicatrizar; a qualidade da cicatriz é preocupação constante, bem como a retração presente nas cicatrizes lineares, o alargamento constituindo uma cicatriz inestética, a hipertrofia ou o aparecimento de quelóide.

 

Coxas

Cirurgia da Calça em culote ou Dermolipectomia da Coxa

Após grandes emagrecimentos ou alternância de períodos de ganho e perda de peso, é comum que ocorra um abaulamento flácido da porção interna das coxas. Isto se deve ao excesso de pele formado pelo estiramento desta durante o período de sobrepeso. Devido a pele da face interna da coxa ser relativamente fina, ela não contrai o suficiente após a perda ponderal, acarretando o excesso de pele local.

A dermolipectomia de coxas visa retirar o excesso de pele, proporcionando um contorno da coxa mais natural e menos flácido. A anestesia pode ser a peridural ou a geral e a internação hospitalar dura geralmente entre 24 e 48horas, dependendo da recuperação.

No pós-operatório, o paciente deve evitar o excesso de movimentos, principalmente abrir muito as pernas, visto que a cicatriz se encontra próximo à virilha e será forçada nestes casos. A tração natural exercida na cicatriz pelo andar e pela gravidade leva comumente a cicatriz a apresentar um alargamento nos primeiros meses.

Quanto menor for a força sobre a cicatriz, menor será o seu alargamento. O resultado definitivo da dermolipectomia é atingido após 6 meses da cirurgia, período necessário para a acomodação dos tecidos e amadurecimento da cicatriz.